São Mateus, São Crianças: Para mim, ser fotográfo é relatar fatos e denunciar apenas com o olhar

Ação educativa lucas quintino obra4 1024x683


“As crianças têm medo do Covid-19, mas precisar se divertir”. Com uma resposta direta, mas cheia de significados, Lucas Quintino responde sobre a inspiração para sua mostra fotográfica “São Mateus, São Crianças”. O trabalho faz parte do projeto “A Arte que liberta não pode ser confinada”, fruto da parceria da Ação Educativa com o Instituto Moreira Salles. Este e outros trabalhos da mostram podem ser acessados aqui.WhatsApp Image 2020 05 19 at 4.00.35 PM

Com apenas de 21, Quintino descobriu-se fotógrafo em 2019 participando de um projeto cultural da Ação Educativa com jovens de periferia. Ele já participoude duas exposições: Humanocidade, que ficou em cartaz na Ação Educativa, e São Paulo, na visão dos cria, realizada pelo IMS em parceria com a Ação Educativa, ambas com curadoria de Marcelo Rocha. Lucas segue se dedicando ao ofício de fotógrafo atuando na cobertura de eventos culturais e com ensaios por ele concebidos, como este que apresenta no Convida, que oferece um olhar particular sobre a pandemia do coronavírus.


“Quando vi que as que crianças faziam máscaras com sacola para poderem brincar protegidas de alguma formas, achei que fazer essa sessão de fotos seria uma forma de contar essa história”, explica Quintino.

Apesar da possibilidade de ficar dentro de casa isolado, não ser um benefício que todos na região do extremo leste de São Paulo pode gozar, porque as pessoas precisam trabalhar para levar o sustento para dentro de casa.

Ele confessa que não imaginava em ser transformar em um fotográfo porque, para um jovem negro e periférico, essa não era uma realidade palpável. “Pra mim a fotografia foi uma forma de mudar de vida, Foi uma oportunidade que eu tive de não ser só mais um neguinho favelado, Que pelo governo seria preso ou morto”. E ele continua: “Para mim ser fotógrafo, É poder relatar fatos apenas com meu olhar, É poder fazer denúncias de carência aqui onde um moro ( extremo Leste de São Paulo)”.

A exposição"A arte que liberta não pode ser confinada"é uma parceira da Ação Educativa com o Instituto Moreira Salles.  A partir do dia 19 de maio até o dia 26 de junho, sempre nas terças e sextas-feiras, serão disponibilizados ao público trabalhos em diversas linguagens: literatura, música, artes visuais, fotografia e vídeo.

por Paulo Pastore


Edições anteriores
Envie seu evento
Conheça nossos pontos de distribuição
Quem Somos
Entre em contato
Marca da Agenda
Expediente
                       
               Patrocínio Apoio Realização
     
 Fundação Casa  Itaú Cultural