Quebra Quebranto: Novo cd das Clarianas fala da força que transforma a alegria em forma de luta


by bia varela

por Paulo Pastore

Quebra Quebranto foi se desenvolvendo a partir das nossas experiências, quando amadureceu, ele nos disse que precisava vir ao mundo. Essa é tentativa de resumir como Naruna Costa apresenta o mais novo trabalho das Clarianas, grupo formado por ela, Naloana Lima e Martinha Soares.

Lançado no final de novembro, o trabalho está disponível no youtube e nas plataformas de streaming. O disco conta com 13 músicas, sendo 11 escritas por Naruna e 2 assinadas por Naloana Lima. “É um disco que fala de cura, da força de um povo que consegue lutar de muitas formas, inclusive através da alegria”, explica.

Assim como o primeiro trabalho do grupo “Girandêra”, “Quebra Quebranto” parte de um olhar feminino, resgata a tradição das cantadeiras, com o diferencial de ser uma experiência “mais vertical, um avanço na linguagem e no conteúdo”. Para Naloana, conhecer a força e a histórias das cantadeiras teve um grande impacto na trajetória das Clarianas, o que serviu como um chamado, com uma responsabilidade para apresentar esse novo trabalho.

“Quebra Quebranto apresenta o avanço da nossa pesquisa sobre as cantadeiras, mas vai para além disso. A força, a mensagem e energia desse canto tem poder para transformar, para despertar a consciência e produzir mudanças no mundo hoje. A nossa realidade cada vez mais urbana, concreta, tem muito a ganhar com as cantadeiras”, observa.

A canção “Quebranto” é uma das canções do novo álbum que traduz bem a mensagem das Clarianas. O canto forte, ora coro ora em solo, a marcação instrumental que remete a vida rural, uma letra que fala de fé, de amor, do medo e violência policial racializada. A canção que tenta tranquilizar o sono de uma mulher à espera do seu companheiro negro tem o seguinte refão.

“Não quer consolo, ou abraço; Nem oração, nem compasso; Que fale sobre o espaço; Que ele deve ter no céu; Morreu, grita para ela saber; O favela vai ver, quando ela acordar...Não tem medo de sonho, que seu nego risonho não demora estará de pé/”WhatsApp Image 2019 11 22 at 11.02 AM

Outro ponto muito comemorado por Naloana em relação ao novo trabalho são as participações especiais. “Contamos com a presença de artistas que admiramos muito tanto o trabalho, como a trajetória política e pessoa, é uma alegria muito grande contar com a partipação da Dani Nega, Lenna Bahule, Ilu Obá de Min e Chico César e Marcelo Preto”.

A respeito do “hiato” entre Girandêra, lançado a seis anos, e “Quebra Quebranto”, ela explica que ocorreu uma junção de fatores. As Clarianas não era propriamenete um grupo musical, o trabalho foi uma experiência de explorar o que elas produziam para as peças teatrais do Clariô, grupo teatral que as três artistas são integrantes. Além disso, elas sentiam que Girandêra continuava sendo necessário e atual.

“Ao longo desses seis anos, conforme o Girandêra ia abrindo caminhos, trazendo respostas, as Clarianas foram despertas a esse compromisso de nos assumirmos como musicistas. É um trabalho poderoso, que nos deixa muito feliz e animadas em compartilhá-lo”.

 


Edições anteriores
Envie seu evento
Conheça nossos pontos de distribuição
Quem Somos
Entre em contato
Marca da Agenda
Expediente
                       
               Patrocínio Apoio Realização
     
 Fundação Casa  Itaú Cultural