"Negror": Direto como um soco, intervenção teatral questiona apatia frente ao genocídio da população negra

negror1

Um tiro performático. Um pedido desesperado de ajuda. Uma peça-panfleto-itinerante. O espetáculo “Negror”, do grupo “Selo Homens de Cor”, usa rounds de boxe para denunciar o genocídio da população negra e a “autorização compulsória” da sociedade que , ao não se posicionar contra a massiva violência destinada aos negros e negras, consente com essa realidade.

A Agenda da Periferia conversou com Sydnei Santiago, ator e diretor da peça. Ele conta que o espetáculo é uma homenagem a luta e a força das Mães de Maio, movimento de mulheres que tiveram os filhos mortos durante os Crimes de Maio de 2006.

Santiago explica que “Negror” é construída a partir da presença de dois lutadores de boxe, um juiz, uma moça do placar e um fotógrafo, os quais formam quadros vivos nas ruas, com procedimentos dramáticos e épicos, pequenos relatos de casos reais envolvendo o assassinato de meninos negros são compartilhados em uma estrutura narrativa transformada em depoimentos em primeira pessoa.

A ideia de ir para a rua, de romper com a “caixa teatral”, inspirou o caráter panfletário, de discurso direto, da intenção de disparar a crítica e a cobrança contra uma sociedade que não se solidariza ou se comove com a morte de jovens negros.

“A peça surge como uma resposta a esse cenário da sociedade brasileira, dessa apatia, que testemunhamos todo dia em relação ao extermínio da juventude negra, da ausência de solidariedade perante esse cenário. O racismo cria esse cenário, no qual a morte de negros praticamente não é notada, não recebe solidariedade”, diz Santiago.

A escolha de trazer essa mensagem, através do boxe tem como referência a história do boxe, que surgiu com senhores de escravos obrigando homens negros lutarem entre si, portanto há um componente racial desde do início da ‘nobre arte’ do boxe e, também, de explorar a morbidez de uma sociedade que vê prazer e se alegra com a dor do outro. Dessa forma, partindo de algo que é uma referência para a sociedade, que atraí a atenção das pessoas, busca-se encontrar um espaço para promover algum ideal de justiça, de solidariedade

 

texto por Paulo Pastor

 


Edições anteriores
Envie seu evento
Conheça nossos pontos de distribuição
Quem Somos
Entre em contato
Marca da Agenda
Expediente
                       
               Patrocínio Apoio Realização
     
 Fundação Casa  Itaú Cultural