Filha do Fogo: Elizandra Souza estreia no mundo da prosa com contos sobre fogo, cura e amor

Elizandra Souza Credito Larissa Rocha 1

Contos que trazem a presença do fogo que dá vida, do fogo que transforma, do fogo vindo dos Orixás. A estreia no mundo dos contos de Elizandra Souza, escritora referência no mundo da poesia, se dá pela obra  obra “Filha do Fogo - 12 contos de amor e cura”, da editora Mjiba.

Em conversa com a Agenda da Periferia, Elizandra avalia a experiência de estrear no mundo da prosa como sendo um desafio literário, ainda mais após um hiato de sete anos sem publicações solo. “Realizar esse livro é uma quebra e rompe meus próprios medos e inseguranças em torno da construção de personagens,  complexidade de construir imaginários e disputar narrativas com personagens mulheres negras”, explica.Elizandra Souza credito Edilaine Pereira

A escritora conta que apesar de ser “literalmente filha do fogo, eu tenho o Ori consagrado a Sangô e Oyá,  sou iniciada no candomblé da Nação Ketu”, a obra não é autobiográfica, apesar de ser fruto das suas “escrevivências,  memórias, escutas, conversas, sonhos, búzios, reportagens, leituras..... é um espiral de experiências e construção de novos mundos”.

No prefácio da obra, feito pela pesquisadora Mirian Cristina dos Santos aparece a potente descrição: “Na tessitura dessa flama, há inúmeras mulheres negras. De forma que a presença recorrente de avós e de mães – as mais velhas que nos habitam – traz ecos coloridos de uma ancestralidade negra requerida e celebrada. (...) É a partir de encontros de mulheres como esse que Elizandra Souza alinha memórias e heranças ancestrais, no entrecruzamento de ritos e de rituais, que nem sempre estão ligados através de laços consanguíneos”

Sobre o desafio de acreditar em um projeto dessa porte, Elizandra lembra de uma conversa inpiradora com a escritora Conceição Evaristo. “Ela (Conceição) me disse ter vendido seu próprio carro para publicar um dos seus livros.  Não vendi um carro, mas estou investindo o que não tenho para ver esse livro na rua. Acredito muito que a prosa de mulheres negras precisam ser lidas e estou colocando esse livro para que seja lido.”

Elizandra explica que o ‘subtítulo’ da obra: “amor e cura”, é uma mensagem para que em tempos de redes sociais e compartilhamentos, as pessoas tenham a consciência de que a ação de amar e curar pessoas negras, histórias contadas por e sobre pessoas negras, passa, também, por compartilhar, incentivar a literatura negra e feminina, de naturalizar as histórias de pessoas negras, escritas por pessoas negras, sejam narradas, visibilizadas e valorizadas.

Quem tiver interesse em adquiri a "Filha do Fogo - 12 contos de amor e cura" é só acessar o site da Literua.


Edições anteriores
Envie seu evento
Conheça nossos pontos de distribuição
Quem Somos
Entre em contato
Marca da Agenda
Expediente
                       
               Patrocínio Apoio Realização
     
 Fundação Casa  Itaú Cultural